Realidade Fundamentada na Física Quântica -

Realidade Fundamentada na Física Quântica -

Capítulo XIII

 

"A Física Quântica superou o paradigma das ciências que limitavam o Universo à velocidade da luz, mostrando ser concebível, matematicamente, a existência da matéria em outros níveis dimensionais, impossíveis de serem apreciados pela abordagem científica tradicional. (Alfredo Nahas)..."

 

    A Ciência anda a passos largos, sempre buscando respostas satisfatórias para seus próprios questionamentos. Atualmente, um dos temas que vem merecendo estudos, está relacionado à Física Quântica e, o que possibilita ao Homem ampliar sua visão em direção às questões que envolvem a Vida e, a partir dela, desenvolver melhor compreensão sobre as coisas do Universo do qual é parte integrante é o seu interesse e dedicação em estudar e pesquisar. Hoje, graças à informática que surgiu para interligar a Humanidade na maior rede de conhecimentos já vista, a cadeia de informações tomou proporção gigantesca e acessível. Este instrumento certamente veio para estimular a evolução da espécie humana especialmente nos quesitos: Intelectual, Moral e Espiritual. Sendo, a essência do nosso trabalho a Vida e, sentindo estreita ligação entre esta e os fenômenos quânticos, incluímos, com o intuito de enriquecer o conteúdo, explicativa pesquisa sobre esta importante constatação científica.

 

A CIÊNCIA, A CONSCIÊNCIA E A FÍSICA QUÂNTICA.

 

    A Ciência é a parte do conhecimento que estuda a Natureza, sendo que na Física Quântica, um dos empenhos é entender os estados e movimentos da matéria do Universo em sua base, origem. Cientificamente, através da Mecânica Quântica, se torna sólida a afirmação de que, tal mecanismo, oferecem condições para a nossa consciência interagir com o Universo. Considerando a Energia Quântica, minúsculas partículas existentes no Universo, um composto quântico de matéria energética com átomos e moléculas constitui os seres vivos. Os átomos emanam continuamente de um corpo ao outro e o movimento acaba interligando o conjunto da Criação, no exuberante mecanismo da energia Universal.

    Nesse vai e vem de energia, analisemos o corpo humano: O osso, mesmo sendo a parte mais dura da estrutura física é um conjugado de células compostas basicamente de H²O (60 a 70% do corpo é água). É uma sequência de energia vital, um efeito quântico de átomos e moléculas que formam, no conjunto, a estrutura óssea de um ser de energia. É assim que o ser humano possui uma estrutura bioenergética que mantém o corpo funcionando. Num indivíduo sadio, o potencial elétrico pode variar entre 1,5 MV e 4,5 MV (Milli Watts) e o corpo produz eletricidade graças a duas bombas elétricas principais – o coração e o cérebro.

    José Pedro Andreeta, professor pós-doutorado em Física e Maria Lourdes Andreeta, advogada e filósofa, empenhados em transpor os limites do pensamento e livres de pré-conceitos arcaicos, aproximam assuntos historicamente opostos como a Ciência e a Religião e os colocam dentro do mesmo Universo da Energia Quântica. Com simplicidade, demonstram conhecimentos ao falar sobre O que é a Física Quântica”. Autores do livro QUEM SE ATREVE A TER CERTEZA e, utilizando o maior e mais moderno meio de informações, através da Biblioteca Digital – http://wwwyahoo.com/question/, repassaram informações sobre estudos e pesquisas no campo da Física Quântica. (Entrevista efetuada por Fátima Afonso – Revista Planeta 327).

  • Fátima: Apesar de todo o desenvolvimento da ciência e do surgimento da física quântica, o homem ainda explica o universo a partir da teoria de Newton, formulada no século 17. Por quê?
  • Casal Andreeta: Porque ele está condicionado a viver neste mundo que nós conhecemos. O homem comum não tem condições de ver a realidade através do prisma da teoria quântica, porque esse conhecimento é extremamente especifico e a linguagem da física quântica; é a matemática avançada. De qualquer maneira, tudo o que você chama de alta tecnologia, o telefone, a televisão, as lâmpadas fluorescentes, o laser, está fundamentado na física quântica.

 

  • Fátima: Vamos supor que a Física Quântica passasse a ser ensinada no colégio e depois na faculdade. Isso não levaria a uma transformação da realidade, já que as crenças seriam diferentes?
  • Casal Andreeta: Sem dúvida! Você teria um mundo completamente diferente do que ele é. Do ponto de vista da física quântica, a mente prevalece sobre a matéria e não ao contrário, como a ciência está, até certo ponto, acostumada a colocar. Então, se a pessoa começa a ter uma compreensão da realidade fundamentada na física quântica, lógico que a mente tem de prevalecer sobre a matéria e daí, ela vai começar a dominar todo o processo de criação. Na verdade, nós já vivemos antes num mundo parecido com o da física quântica. Nossa primeira infância, por exemplo, era praticamente fundamentada nela. Não tínhamos nenhum condicionamento deste mundo em que nós vivemos. Tudo parecia possível. E se continuássemos a acreditar nisso...
  • Fátima: ... Se continuássemos a acreditar tudo seria mesmo possível?
  • Casal AndreetaExatamente! Imagine, por exemplo, uma pessoa que consegue fazer milagres, como Cristo ou um santo.  O que é o milagre? É tornar possível uma coisa que normalmente achamos que é impossível. Na verdade, a mecânica quântica é o reino de todas as possibilidades. O problema é que, na hora em que vamos "aprendendo" a viver neste mundo, vamos nos condicionando; perdemos, por exemplo, as nossas crenças, a fé naquilo que achávamos que podia ser possível. Se levarmos ao pé da letra o nosso entendimento da vida, segundo a física quântica, vamos ter a seguinte condição: o mundo é da forma que nós acreditamos que ele seja; nós construímos o nosso meio. Por exemplo: um átomo não é um núcleo central e um elétron girando em torno dele. Esse modelo está totalmente superado. E mais: ele viola a lei do eletromagnetismo. O elétron tem de estar distribuído uniformemente em volta do átomo; ao mesmo tempo, ele é um corpúsculo, uma partícula. A lógica humana não consegue conceber isso, pois é algo que está fora deste universo newtoniano que conhecemos.
  • Fátima: Curiosamente, há milhares de anos os místicos já conheciam, ao menos, 25 partes desse universo quântico...
  • Casal Andreeta: De fato, há quatro mil anos, Buda dizia que a mente prevalece sobre tudo; ela domina e cria tudo. Hoje, a mecânica quântica está chegando nesse ponto. Os físicos acreditam que, na hora em que vou medir uma partícula, eu a crio; antes disso, ela tinha uma dualidade, era uma partícula/onda, uma coisa completamente estranha ao que conhecemos. Ou seja, somente quando interferimos com a nossa mente, fazendo uma medição, aquilo que era uma onda, colapsa e forma uma partícula de matéria. Vamos dizer que, no nosso universo, existe uma substância universal chamada substância quântica que você pode chamar de éter ou de qualquer outro nome (Fluido Cósmico). Essa substância quântica é um mar de todas as possibilidades; aí tudo é possível. A primeira coisa que você tem de fazer quando deseja algo é filtrá-lo desse quadro de todas as possibilidades. Depois que filtrou, ainda não é a coisa que você quer e sim, algo meio nebuloso. Então, você vai e o observa. No ato da observação, esse algo nebuloso e mal definido se modifica e transforma naquilo que você quer, por exemplo, um elétron, um próton (o pensamento dá forma à ideia). É mais ou menos assim que a coisa funciona.
  • Fátima: Depende da vontade consciente do observador...
  • Casal Andreeta: Isso. O vale de todas as possibilidades está aí.

 

  • Fátima: Se transportarmos para o macrocosmo essa questão da vontade em relação aos átomos, podemos dizer que temos a capacidade de modificar as realidades?
  • Casal Andreeta: Sem dúvida! Hoje a ciência já sabe que existe uma realidade maior que dá sustentabilidade a essa realidade newtoniana em que nós vivemos. Ou seja, os fenômenos quânticos é que vão dar origem a tudo o que existe. Só que eles têm tamanha complexidade que não podem ser compreendidos pelo intelecto humano; eles o transcendem. O cérebro foi criado para compreender o tridimensional, aquilo que nós vivemos no corpo físico. Para a física quântica, por exemplo, não existe mais um universo objetivo, quer dizer, eu aqui e o meu experimento lá; tudo é subjetivo, porque eu sou parte do experimento.
  • Fátima: Considerando isso, talvez a ciência devesse levar mais em conta o sentimento humano, por exemplo?
  • Casal Andreeta: Exatamente.
  • Fátima: Já existe essa abertura entre os físicos?
  • Casal Andreeta: Voltamos à sua primeira pergunta: por que as pessoas não utilizam isso? Porque é uma coisa complicada de ser colocada. Há cientistas que preferem não ter resposta nenhuma a admitir que existam, outros elementos para serem colocados dentro da ciência. De qualquer maneira, nós acreditamos que estamos numa época de transição e vamos ter de colocar o homem dentro da ciência. Se a energia psíquica cria os experimentos, a natureza, a matéria, se não colocarmos os elementos da mente humana na física, ficará extremamente complicado entender o que está acontecendo.
  • Fátima: Os átomos fluem, continuamente, de um corpo sólido a outro, incluindo-se aí o corpo humano o que acaba nos tornando parte de um grande todo. Isso explicaria porque somos contaminados, por exemplo, pela violência ou pelo amor a nossa volta?
  • Casal Andreeta: Há aí dois aspectos. O físico já sabe que o corpo humano troca todos os átomos a cada 2,5 anos. Como nós lembramos coisas do nosso passado, deve existir alguma coisa além da energia e dos átomos que formam o nosso corpo físico: a mente (Espírito). Nós acreditamos que não há como refutar a existência da mente. O que deve, portanto, transmitir as lembranças e os sentimentos talvez não seja a matéria (onde se acham os átomos), mas a mente. Por outro lado, saindo um pouquinho da física e indo mais para a psicologia, - "Jung dizia que todo conhecimento está colocado em arquétipos. Quando acessamos esses arquétipos é como se você entrasse em uma biblioteca, abrisse um livro, tomasse consciência dos conhecimentos ali arquivados e, quando saísse dali, o deixasse aberto sobre uma mesa. Qualquer pessoa que entrasse ali poderia ler o livro que você leu. Segundo a teoria junguiana, esses programas de televisão que dizem ser contra a violência, mas mostram violência o tempo todo, na verdade estão abrindo esse arquétipo, ou seja, criando mais violência".
  • Fátima: Se todo o nosso organismo é atomicamente recriado a cada 2,5 anos, nós não deveríamos ser pessoas sempre saudáveis?
  • Casal Andreeta: Veja bem, você está reconstruindo o seu corpo físico a cada instante. Mas como seria essa reconstrução? Se partir da premissa de que tudo é da forma que você acredita que seja, cada um tem o seu próprio mundo, dotado de elementos diferentes. Tudo o que acontece na nossa vida é aquilo que nós acreditamos que é inevitável. É aquilo que temos certeza que vai acontecer. Se eu sei, por exemplo, que vou envelhecer e morrer e não tenho o mínimo conflito sobre isso, isso é inevitável para mim.
  • Fátima: Em outras palavras, você está me dizendo que, se um dia conseguirmos acreditar piamente que a morte física não existe, nós vamos conseguir ser eternos?
  • Casal Andreeta: Não diríamos que seriamos eternos fisicamente, porque parece que as células do corpo físico têm um tempo de vida limitado. Essa afirmação, no entanto, pode ser também mais um dos nossos condicionamentos. De qualquer maneira, poderemos ter um corpo saudável por um longo tempo. Se eu tiver plena convicção de que posso transformar esse gravador numa rosa, isso deve acontecer. Não tem essa, porém, de eu fingir que acredito. Parece que a nossa mente só cria aquilo que nós realmente acreditamos e não aquilo que fingimos crer. Se eu estou com um problema no estômago, por exemplo, é porque acredito que tenho esse problema. E como dizem: mente sã, corpo são...
  • Fátima: Se aceitarmos que a mente cria e domina a matéria, a nossa responsabilidade diante do mundo vai aumentar milhões de vezes?
  • Casal Andreeta: Sem dúvida, porque, nesse caso, o homem cria o meio. Então, somos cúmplices de todos esses fatos que estão acontecendo à nossa volta. Só que, provar isso cientificamente é complicado, uma vez que a influência do homem, no meio, ainda não é muito bem compreendida pela ciência. Devemos lembrar, no entanto, que a ciência trabalha com verdades relativas e as verdades relativas não são permanentes. O que vale hoje pode não valer amanhã. A ciência evolui; através da pesquisa, ela muda os seus conceitos. Na verdade, a teoria das supercordas não está comprovada experimentalmente, ainda é uma teoria. Mas, segundo Cross, tudo o que existe são vibrações, que vem de uma única fonte. Então, tudo pode ser regido por uma só lei. Nessa teoria o Universo é uma imensa orquestra, só estaria faltando para a ciência descobrir o maestro regente...
  • Fátima: Que se fôssemos levar para o lado religioso, seria Deus?
  • Casal Andreeta: Seria. Mas, em nossas pesquisas, estamos muito longe de chegar a Deus. Por enquanto, nós estamos querendo chegar só um pouquinho além da matéria.
  • Fátima: Como é que a física quântica explica o caso de cura espontânea?
  • Casal Andreeta: Se você fizer essa pergunta, por exemplo, para um físico ele vai dizer que não tem explicação para isso. Mas nós achamos que, se a mente prevalece sobre a matéria, se a sua mente acreditar na possibilidade de ser curado e não tiver conflito, você vai conseguir se curar. Agora, muitas pessoas vão dizer: Não, física quântica é muito interessante, mas ela só funciona para o mundo microscópico e, na nossa realidade macroscópica, predominam as leis de Newton. Para nós isso é a mesma coisa que você dizer que um prédio é feito de tijolos, mas as propriedades do prédio não têm nada a ver com as dos tijolos. Existe essa realidade quântica por trás desse mundo em que vivemos, não há a menor dúvida. Dizer que a física quântica não tem influência no nosso mundo macroscópico é uma afirmação um pouco indevida. O problema é que a ciência é cheia de dogmas. E ela não responde o porquê das coisas. Ela só tem respostas para o comportamento da nossa realidade; nós não sabemos, por exemplo, o que é um átomo, um elétron. Nós sabemos que eles se comportam como onda e partícula, mas o que são, nós não sabemos. A ciência trabalha com conceitos e conceitos que é consensual, aceito por um grande número de pessoas. Às vezes você diz certas coisas que não têm comprovação experimental e os cientistas chamam de especulação. Mas nada é mais especulativo do que a ciência em si, porque ela trabalha com verdades relativas, temporárias e isso não diminui em nada a sua importância para a humanidade.
  • Fátima: De acordo com os conhecimentos que têm hoje, vocês diriam que a sobrevivência do espírito pode ser uma realidade?
  • Casal Andreeta: Evidentemente, a física quântica não consegue comprovar isso. Mas existe outro tipo de argumento que se deve colocar aí. Se não existe nada além da morte, para que vamos ser bons? Para que querer entender a natureza? Para que o conhecimento? Fica tudo sem sentido. Aliás, nós já sabemos que a mente existe e não morre; se ela não sobreviver, fica tudo sem sentido.
  • Fátima: E a reencarnação, é viável?
  • Casal Andreeta: Em principio, nós achamos que essa é uma das teorias mais prováveis em relação ao que acontece depois da morte. Pelo menos é a mais cientifica. Seria até injusto não ter reencarnação. Por exemplo, imagine uma pessoa da favela, para quem, matar estuprar e roubar é normal. Ela faz tudo isso porque o seu meio proporciona isso. Então ela morre, é julgada e vai para o inferno. E eu, que vivi em outro meio, recebendo um embasamento moral, vou para o céu.
  • Fátima: Nós podemos traçar um paralelo entre a substância quântica de onde tudo parece originar-se e a ideia que geralmente fazemos de Deus, um ser onipresente, onisciente e onipotente?
  • Casal AndreetaÉ bastante lógico você relacionar uma coisa com a outra. Deus, para o físico, é muito mais essa substância quântica com todas essas propriedades características atribuídas pela religião do que um Senhor sentado lá em cima e dirigindo o Universo. Na verdade, essas perguntas nos levam a um ponto que não podemos alcançar ainda. Se conseguirmos chegar à mente e mostrar que ela cria e domina a matéria, ao que a mecânica quântica já chegou parcialmente, já será um avanço enorme.
  • Fátima: Curiosamente, religiões como o hinduísmo e o budismo chegaram bem antes da ciência a determinadas "verdades". Como é que isso aconteceu?
  • Casal Andreeta: Essas religiões já tinham esse conhecimento, mas sem os detalhes. Elas simplesmente sabiam que era assim. Como nós dissemos anteriormente, Buda já dizia que a mente domina e cria tudo; mas, até onde se sabe, ele não ensinava nenhum detalhe sobre isso.
  • Fátima: Mas Buda foi buscar essa informação numa determinada fonte. De que maneira ele teve acesso a isso? Como, há cinco mil anos, o hinduísmo já falava em ARQUIVO AKÁSHICO- (registro akáshico é onde estão guardadas as memórias dos acontecimentos de todas as nossas vidas) e de mundos paralelos, dos quais hoje a física quântica começa a falar?
  • Casal Andreeta: Existe uma teoria que mostra como isso é possível: os conhecimentos eram obtidos por revelação, eles eram revelados aos iniciados. Você só tem acesso a um conhecimento quando tiver certa ética, certo grau de evolução (moralidade). Não porque exista uma discriminação, mas porque você só recebe isso através de uma frequência fina. A sua mente só consegue acessar certos conhecimentos através de um fenômeno chamado ressonância. Imagine o rádio; você só pode sintonizar uma estação, se colocar  o aparelho na frequência daquela estação. Da mesma maneira, você só consegue chegar numa determinada frequência onde esses conhecimentos estão, se adquirir um grau de sutileza capaz de sintoniza e entrar em harmonia com esse conhecimento. E isso independe da cultura que você tem. Por isso, algumas pessoas não têm cultura, mas têm sabedoria
  • Fátima: Quando você fala em entrar em ressonância com o conhecimento, isso quer dizer que ele já existe num nível superior ao humano...
  • Casal Andreeta: O conhecimento está todo ai; ele é acessível. O que nós fazemos é simplesmente aceitá-lo e dar-lhe forma matemática compatível com a realidade em que vivemos. Existem pessoas que dizem que o conhecimento de Deus está na Bíblia. Eu acho que o conhecimento de Deus está em tudo. Na folha de uma árvore, está escrita a história do universo inteiro...
  • Fátima: Então, você é obrigado a admitir a existência de uma inteligência superior ao homem?...
  • Casal Andreeta: Sim. Vamos dizer que não se admita a existência de uma inteligência superior. Então, de onde vem a nossa inteligência? Ela foi criada de onde? Ela pode ter vindo do nada? Ou de algo que não tenha inteligência para lhe transmitir inteligência? Antigamente não existia vida, não havia materiais orgânicos, somente átomos, moléculas, partículas, tudo era inorgânico; e, no inorgânico, não há inteligência, pelo menos não aquela que nós conhecemos. De uma hora para outra, o inorgânico se transformou, criou-se vida e essa vida se tornou inteligência do nada? Pelo menos para mim, isso é ilógico. Eu acredito que deva existir algo inteligente para que você possa evoluir e você vai adquirindo essa inteligência... Nós temos cerca de 10 (elevado a 28) átomos no nosso corpo físico; a sua organização é tão complexa, que é difícil admitir ser um simples resultado do acaso.

 

Cada passo que se imprime à frente, lembra ao 

homem o seu pouco saber. 

 

"As nossas conquistas cientificas não são mais que esboços superiores à Ciência dos nossos pais, mas que serão substituídas por novas descobertas e novos conhecimentos. O tempo presente não é senão uma estação na grande viagem das Humanidades; um ponto na história das gerações. A utopia de ontem torna-se a realidade de amanhã. O homem pode gloriar-se de ter contribuído para aumentar a bagagem intelectual do passado mas ninguém deve jamais dizer: "o que ignoro ficará sempre oculto". Comparemos o modesto domínio da Ciência com o infinito das coisas, com o campo ilimitado do desconhecido que ainda nos resta explorar. Essa comparação ensinar-nos-á a sermos mas circunspectos em nossas apreciações". (Léon Denis-O Espírito e a Consciência – Livro “Depois da Morte”).